Livros

A Magia está de volta: Harry Potter and the Cursed Child

Roteiro da peça que revisita o universo de Harry Potter é lançado!






















Quando J.K. Rowling anunciou na festa de lançamento do último filme de Harry Potter - Harry Potter e as Relíquias da Morte - que os personagens e a trama era o filho dela e ela voltaria a mexer com eles quando bem entendesse, os fãs do bruxinho já ficaram atentos: um dia haveria novidades neste mundo mágico. Contudo, ao passar dos anos e com a atualização apenas de bibliografia dos personagens no site Pottermore, a ideia de uma continuação da saga foi morrendo aos poucos. Até que em 2016 nós fomos apresentados a uma nova história - em formato de peça teatral - Harry Potter and The Cursed Child. E o melhor: o anúncio de que o roteiro seria lançado em livro. Uma coisa nos acertou em cheio: a magia estava de volta.

Apesar das instruções de Rowling, feitas pelo Twitter, informando que o livro não deve ser considerado como uma continuação, mas sim como um spin-off da saga mundialmente aclamada, não foi possível conter a emoção de revisitar nossos antigos heróis: Harry, Rony e Hermione estavam ali, nos esperando.

O texto a seguir faz uma análise do roteiro, lançado recentemente em livro, e contém spoilers da trama! Vale lembrar também que utilizamos nesta resenha os nomes da tradução brasileira, motivo pelo qual James aqui se chama Tiago, Scorpius é Escórpio. e Albus é Alvo.

Paul Thornley (Rony Weasley), Noma Dumezweni (Hermione Granger) e Jamie Parker (Harry Potter), na versão teatral de Cursed Child
A trama inicia-se exatamente 19 anos após o fim dos acontecimentos de Harry Potter e as Relíquias da Morte. O bruxo está casado com Gina Weasley e possui três filhos: Tiago, Lílian e Alvo. Harry possui um emprego no Ministério da Magia, local onde também trabalha Hermione Granger - agora Ministra da Magia - que é casada com Rony Weasley e possui dois filhos: Hugo e Rosa. A trama trás de volta também Draco Malfoy e seu filho Escórpio - além de alguns personagens icônicos, como Neville, Snape, Cedrico, Dumbledore e Minerva McGonagall.

Como o nome sugere, o livro não é focado em Harry, mas sim em seu filho - Alvo. Ele encontra ao lado de Escórpio um ombro amigo. Entre eles - crianças que são incompreendidas pelos pais - nasce um envolvimento que ultrapassa os limites da amizade. É palpável o sentimento crescente entre os personagens nas descrições dos sentimentos e intenções dos personagens.

Fanart by: Tumblr Fan Pop Potter
O livro conta, de forma resumida, os quatro primeiros anos de Alvo e Escórpio. O primeiro tem em seus ombros o peso de ser filho de Harry e ser o primeiro de sua família a não ser escolhida para a Grifinória, mas sim para a Sonserina. Já o segundo é isolado, pois há um boato de que ele é o filho de Voldemort - vilão morto há anos.

Perdidos na solidão e na incompreensão de seus sentimentos, Potter e Malfoy se unem e compartilham momentos importantes sempre estando um ao lado do outro - como a morte da mãe de Escórpio e a estrondosa briga entre Harry e Alvo.

A rebeldia adolescente que fazia parte de Harry está presente - de forma potencializada - em seu filho e é dele que parte a ideia da aventura que causa problemas na vida de todos: voltar no tempo para salvar a vida de Cedrico Diggory, morto durante o Torneio Tribruxo (evento que ocorre no quarto livro, Harry Potter e o Cálice de Fogo).

Alvo acredita que a morte de Cedrico é culpa de Harry - e quer mudar a história. Ele retorna aos eventos do Torneio Tribruxo e aprende, da pior forma possível, que mexer no passado causa enorme mudança no presente.

Apesar da inocência e doçura no envolvimento entre Alvo e Escórpio, a história fica devendo se comparada as aventuras de Potter. Hogwarts e os mais importantes personagens estão ali, mas a história não cativa tanto quanto um dos sete livros anteriores. A emoção de estar de volta é inegável, mas a nostalgia passa quando percebemos que apesar do local ser o mesmo, a emoção não está ali. É como retornar ao colegial após anos de se formar: você lembrará do que passou ali com carinho (e, às vezes, raiva), mas perceberá que seu lugar já não é mais ali, uma nova geração está no local fazendo as próprias histórias e gravando memórias em que você não está inserido.

Rowling, junto com Jack Thorne, conseguem revisitar o passado e trazer a magia de volta sem causar prejuízos ao roteiro original. Não é constrangedor ver o futuro de nossos personagens - pois eles estão ali, da forma como nós os deixamos há 19 anos. A essência de todos eles está inserida no livro e a saudade aperta o coração de quem lê. Mas é passageiro.

Com um desfecho emocionante, trazendo de volta à tona emoções presentes no primeiro livro do bruxinho - Harry Potter e a Pedra Filosofal - só uma coisa vem à mente após o fim da leitura: "Rowling, você criou um mundo fantástico e, mesmo após anos, consegue nos emocionar como se fosse a primeira vez". De fato, Hogwarts sempre estará lá para receber todos nós, fãs.

No Brasil o livro (que já está em pré-venda) será lançado em Outubro pela Editora Rocco, com o título de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada.
Diego Piovesan escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook