Animes

Conheça mais sobre os softwares usados na criação dos animes

Fazer um anime realmente é um trabalho que exige dedicação!

Quando pensamos na criação de um anime, muitas vezes não nos damos conta de quanto trabalho existe por trás de cada frame para que a animação seja perfeita. Pensando nisso, um leitor do site Anime News Network perguntou, na sessão Answerman, que programas os estúdios de anime usam atualmente para criar a animação. 



A resposta dada por Justin Sevakis, criador do Anime News Network, nos ensina um pouco sobre que softwares são usados hoje em dia no processo de animação dos animes, e você pode ler abaixo:


“Bom, isso na verdade está longe de ser uma lista exaustiva, a maioria das companhias de anime surpreendentemente variam bem pouco no que diz respeito às suas escolhas de softwares de produção. Tipicamente, funciona assim:
Na maior parte do trabalho pesado de animação, a maior parte da indústria usa o RETAS Studio Suite, que é um conjunto de aplicações feito pela companhia japonesa CELSYS, que é similar mas não exatamente igual ao Toon Boom Animation Studio, que é comumente usado nos Estados Unidos. RETAS! PRO tem quatro componentes. O primeiro é o Stylos HD, que usa um tablet Wacom para desenhar rapidamente a arte da linha vectorial e então compilar cada frame numa sequência pré-programada. Como esse software funciona bem numa network, ele permite que diferentes equipes em diferentes países trabalhem nos frames chaves e nos intermediários, e também permite que diretores de animação e revisores enviem notas pedindo ajustes. Esse programa também cuida da maior parte do trabalho de organizar automaticamente quais cortes devem ser feitos. Para animadores que preferem trabalhar no papel, também temos um aplicativo chamado TraceMan HD, que otimiza a tarefa de escanear e vetorizar as artes.
Uma vez que a parte das linhas está terminada, chega a hora de colorir, e para isso usa-se o PaintMan HD. Paintman é um aplicativo bem simplificado e tem muitas das funções do Photoshop, embora também se use o Adobe Photoshop para trabalhos mais especializados que requerem efeitos especiais. Finalmente, as sequências terminadas são jogadas num aplicativo de composição para combinar as sequências com os fundos e para coreografar cada um com a intenção de movimento da câmera. Se houver algum trabalho em 3D, a maior parte dele é feita no 3-D Studio Max ou ocasionalmente Maya.
Uma vez que as sequências terminadas são exportadas para o programa de composição, visuais são agregados em editor não-linear como o Premiere Pro ou Adobe Media Composer. Alguns estúdios podem ainda estar usando o Final Cut Pro 7, contudo, eu duvido que alguém ainda use o Final Cut Pro X. Os testes a lápis são inicialmente usados para temporizar cada corte e para trabalhar no áudio, e então esses pedações são gradualmente substituídos com as versões finais. Se for preciso algum ajuste, o fluxo de trabalho atual já permite acomodar mudanças em partes da animação sem ter que jogar todo o trabalho fora.
As coisas até que andam rápido no mundo dos softwares, mas muitos desenvolvedores têm se estabilizado nesse mercado. Artistas acabam “vivendo” no software que eles usam todos os dias, então grandes mudanças sofrem muita resistência. Você aprende a usar um aplicativo e, enquanto você conseguir acompanhar o ritmo dos novos recursos, você provavelmente está bem nesse aplicativo por pelo menos 5 ou 10 anos. As coisas foram muito otimizadas, e o fato de que anime pode ser feito muito mais rapidamente do que antes, sem dúvida, ajudou a contribuir para a quantidade de animes que temos nos dias de hoje.


Marcela Souto escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook