Mangás

Crítica: Helter Skelter (1995) e a doença da fama

Uma modelo bem sucedida enlouquece ao ver sua beleza ruir em mangá de suspense perturbador e crítico


Fama, dinheiro, poder: o mundo da indústria do entretenimento parece um sonho. Seus residentes são como deuses, capturando o olhar de todos e vivendo rodeados por luxo. Entretanto, quem chegou lá nem sempre tem histórias boas para contar. Filmes como Crepúsculo dos Deuses (1950), Perfect Blue (1997), Mapas para as Estrelas (2014) e Demônio de Neon (2016) retratam os bastidores do cinema, música e moda como um ambiente doentio e perverso. O mangá Helter Skelter (1995), da “mãe” dos josei Kyoko Okazaki, é uma das aclamadas e pesadas produções criticando essa cultura.


Na história, Lilico é a modelo mais admirada no Japão. As adolescentes a admiram e invejam, os homens a desejam e seu rosto é considerado perfeito. No entanto, nada disso é natural. Para chegar onde chegou, Lilico teve que passar por diversas plásticas que praticamente reconstruíram seu corpo do zero. Quando as cirurgias começam a causar efeitos colaterais dolorosos, a modelo entra em uma espiral de loucura onde todos são inimigos prestes a tirar sua coroa.

Como a sinopse indica, Helter Skelter não é uma história leve. Lilico não é uma heroína ou uma personagem que se admire: é uma mulher melancólica em um estilo de vida completamente desequilibrado. Com a rotina regrada por remédios e mais remédios fortes, ela maltrata os funcionários, usa o sexo como um instrumento para conseguir vantagens ou humilhar os demais, se droga e vive solitária, longe da família, em seu palácio decadente. À medida que a história caminha, seu estado psicológico só se degenera, construindo um enredo angustiante e chocante.

O termo helter skelter é o nome de um tipo de tobogã britânico em que uma rampa de madeira é construída em espiral, com uma torre no centro. Pelo movimento circular, ele expressa um sentimento de confusão, desnorteamento, caos. E é isso que define perfeitamente o mangá. Lilico está imersa em um caos, seja pelas suas relações totalmente abusiva e desequilibradas, pelo seu psicológico abalado ou sua carreira decadente. Esta é uma história sobre desequilíbrio e amoralidade.

As críticas feitas pelo mangá continuam bastante atuais, mesmo com sua publicação tendo se iniciado há mais de 20 anos. Exploração sexual de jovens modelos, atrizes e cantoras por parte dos produtores, obsessão com um padrão rígido e impossível de beleza, relação de adoração seguida por rápido descarte de celebridades… Tudo permanece atual. Basta ver os filmes citados no primeiro parágrafo para perceber que pouca coisa mudou e que a indústria cultural tanto realiza quanto destrói sonhos.

Se fosse preciso apontar um elemento controverso ou divisor de opiniões sobre o mangá, seria sua arte. Sendo direto: ela é feia. Os personagens possuem uma anatomia estranha, com orelhas e lábios enormes e rostos caricatos. Para quem está acostumado com o traço padrão dos mangás, é bastante estranho. Mas, não é algo que atrapalhe a leitura. Pelo contrário, a loucura de Lilico e o teor grotesco de certas cenas é enfatizado pelo estilo de desenho. Além disso, as várias cenas de nudez e sexo fogem da objetificação justamente pela forma que Okazaki optou por desenhá-las. Também é possível ver um afastamento dos mangás tradicionais e uma aproximação com a estética dos quadrinhos alternativos, como o aclamado My Lesbian Experience With Loneliness.

A edição nacional, publicada pela NewPOP, tem qualidade acima da média, com páginas coloridas e papel sem transparência. Entretanto, como problema decorrente nos produtos da editora, a revisão do texto deixa a desejar. Não é nada que prejudique a experiência com o mangá, mas erros de digitação são algo que desvaloriza o excelente trabalho de Okazaki.

Helter Skelter é um mangá pesado, angustiante e com críticas que permanecem atuais. Sua narrativa focada no psicológico decadente e sua arte fora do padrão podem incomodar parte do público, mas aqueles que gostam de suspense e histórias sobre o mundo abusivo por trás das câmeras da indústria de entretenimento certamente terão um prato cheio.

Ficha Técnica
Título: Helter Skelter
Autor: Kyoko Okazaki
ISBN: 978-85-8362-117-1
Formato: 15 x 21 cm
Páginas: 320 páginas (inclui páginas coloridas)
Acabamento: Off-set 90g – Capa Cartonada
Valor: R$ 24,90
Volumes: Volume Único
Classificação/Faixa-Etária: Recomendado para maiores de 18 anos
Gênero: Terror, Psicológico, Josei
Pedro Melo escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook