Universo Geek

Geek & Game Rio Festival 2018: como foi o melhor evento geek do Rio de Janeiro

O GGRF 2018 aconteceu nos dias 20, 21 e 22 de julho



O Rio de Janeiro, infelizmente, não é um ponto forte quando o assunto são eventos nerds. Contudo, desde 2017, o Geek & Game Rio Festival tem feito um esforço para mudar esse cenário e, nessa segunda edição, que ocorreu entre os dias 20 e 22 de julho, o GGRF tem se consolidado cada vez mais como um evento de peso, mostrando que tem muito potencial para ser a alternativa carioca à CCXP.




No ano passado, estivemos no festival e você pode conferir aqui nossas impressões. Este ano, estivemos novamente no festival e já adiantamos que houveram algumas mudanças entre as edições e muitos pontos fortes para destacar!


O espaço



Assim como na edição passada, este ano o GGRF também ocorreu no Riocentro e o local escolhido já é famoso por sediar inúmeras feiras na capital carioca - especialmente a Bienal do Livro. Além de ser um local perfeito para um festival, a localização também é um ponto importante: por ser no bairro da Barra de Tijuca, com fácil acesso de metrô, ônibus e VLT, os moradores de zonas mais afastadas do Rio de Janeiro não se prejudicaram como poderiam ter se prejudicado se o evento fosse sediado na Zona Sul, como acontece com outros eventos nerds menores do Rio de Janeiro. Apesar de ocupar somente um pavilhão, o espaço foi muito bem aproveitado - ainda mais do que no ano passado, em que destacamos que a proximidade dos ambientes atrapalhou a acústica. O pavilhão escolhido para sediar o GGRF foi ocupado por diferentes ambientes, sem que um atrapalhasse o outro, e havia espaço suficiente para se locomover livremente.

Programação



A programação este ano começou uma hora mais tarde do que no passado (esse ano, começava às 11), contudo, contou com diversas atrações, todas muito bem pensadas! No palco principal, o Geek Station (antigo Hiker Station), tivemos painéis incríveis, com assuntos que iam desde cinema e quadrinhos até literatura fantástica, e muitos deles contaram com a presença de artistas internacionais, como o Tom Wlaschiha e o Édgar Vivar. Além dos painéis, o Geek Station também foi palco do concurso de cosplay. O Game Stadium (antigo Gamer Station), por sua vez, trouxe uma variedade bem rica de jogos, indo além dos mobas que normalmente são protagonistas nesses eventos: além do canônico League of Legens, o Game Stadium também mostrou partidas de FIFA, Hearthstone, PubG, entre outros. Ainda sobre jogos eletrônicos, essa edição também contou com o Arkadium, um espaço em que o público podia disputar várias partidas em consoles e computadores, e com o inédito Games From Rio, um espaço em que criadores de jogos independentes mostravam suas criações ao público. E sobre jogos de tabuleiro, mais uma vez o GGRF ofereceu um espaço para os fãs de jogos offline, o D20 Distric (antigo Game Board Alley). Para os fãs de quadrinhos e artes, mais uma vez tivemos um espaço para artistas independentes, o Artist's Alley (antigo Art Way). E para as crianças, novamente tivemos um espaço dedicado aos pequenos nerds, o Little Heroes.

Personalidades importantes



No espaço do Meet & Greet e no palco da Geek Station, passaram muitas personalidades importantes no cenário geek, até mesmo atores internacionais, como o Tom Wlaschiha, o Édgar Vivar e a Ana de la Macorra! Na área de literatura, algumas das personalidades de destaque estiveram no festival foram os escritores Eduardo SpohrDiogo Andrade, Affonso Solano, Vivi Maurey, Frini Georgakopoulos e Luiza Trigo. Na área de quadrinhos, tivemos os desenhistas Rodney Buchemi, Cris Peter, Guilherme Balbi e Luciano Cunha. Na área de jogos, tivemos jogadores de destaque nos e-Sports, como o Kami, o Coreia, o Marduk. Na área de internet, tivemos o pessoal do Choque de Cultura e do Matando Robôs Gigantes, o Muca Muriçoca, os Irmãos Piologo e os Castro Brothers. Além de todos esses (e mais muitos outros) nomes em diversas áreas, esse ano o festival ainda contou com duas atrações musicais: um show o Tauz e outro do Detonator.

Representatividade feminina



Um destaque muito importante para essa edição do GGRF é a presença feminina em peso no evento. Muitos painéis no Geek Station contaram com a presença de mulheres do cenário geek, como as meninas do blog Garotas Geek, as youtubers Haru e Mikannn, a desenhista Cris Peters e as escritoras Vivi Maurey, Frini Georgakopoulos e Luiza Trigo. Na Gamer Station, as meninas marcaram presença na grande final do Circuito Feminino de Rainbow Six Siege entre os times Fontt Energy e RevoltZ. No Artist's Alley, muitas artistas também estiveram expondo seus trabalhos, como a Vi Marchetti, a Elle Oliver, a Fernanda Nia, a Mayara Lista e a Paula Cruz.

Stands



Assim como na edição anterior, este ano o festival contou com muitos stands de marcas importantes. Na área de literatura e quadrinhos, alguns stands de destaque foram o da Comix Book Shop, da editora LeYa e da Livraria da Travessa. Na área de jogos, além dos espaços dedicados a isso, como o Arkadium e o D20 Distric, quem esteve na GGRF mais uma vez foi a Jambô, uma editora muito aclamada no cenário de RPG. O festival também ofereceu vários stands para comprar lembrancinhas nerds, desde canecas até camisetas, touquinhas e afins dos seus personagens favoritos, e alguns stands de doces e comidas importadas do Japão.

Marcela Souto escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook