Crítica: HQ Salto de Rapha Pinheiro

Era uma vez uma cidade chamada Intos, onde as pessoas eram feitas de fogo. Essa é a trama da HQ Salto.

Salto é uma HQ nacional escrita e desenhada pelo quadrinista e arquiteto Rapha Pinheiro e publicada através de financiamento coletivo na plataforma Catarse pela editora Avec.


A trama Steampunk é ambientada numa Inglaterra vitoriana e conta a história de , um jovem que sofre preconceito por conta de seu tom de "pele" e que, após descobrir por acidente o segredo de um poderoso barão, acaba sendo ameaçado de morte e foge para as cavernas. Nessa fuga ele acaba descobrindo muito mais coisas do que poderia imaginar e questões como abuso de poder e controle das massas ficam evidentes e fazem o leitor refletir a todo momento.

E como não se trata de uma história comum, os personagens são seres de fogo que tiveram que fugir da chuva na superfície e se abrigaram nesses cavernas, cada vez mais fundo e que, após muitos anos, entraram na zona de conforto e nem se dão ao trabalho de pensar "além da caixinha". Uma clara alegoria ao Mito da Caverna de Platão.


Salto é uma leitura leve, com temas polêmicos e muita aventura. Em nenhum momento se torna massante e pode ser lido em um único dia.

Recentemente, o autor iniciou uma nova proposição no Catarse de um livro irmão ao Salto, chamado Silas, Uma  Desventura Steampunk, que se passa no mesmo universo porém conta a história de um outro personagem.

Ficha Técnica:


Título: Salto
Autor: Rapha Pinheiro
Formato: Europeu 21x28
Páginas: 98
Valor médio: entre R$30 e R$40
Volume: Volume único
Classificação etária: Livre
Gênero: Steampunk, Aventura


Carla Mari escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook