Séries

Crítica: Preacher - sangue, sarcasmo e sacrilégio em nova série da AMC

Nova série da AMC, traz a essência de um clássico dos anos 90, Preacher.

Com uma missão digamos que ousada, o canal AMC e os diretores Seth Rogen e Evan Goldberg estrearam no dia 22 de maio a série Preacher. Uma adaptação dos quadrinhos de Garth Ennis e Steve Dillon, lançado pela Vertigo entre os anos de 1995 a 2000. Embora bastante diferente dos quadrinhos a série conseguiu manter sua essência, as piadas infames para com a igreja, violência recheada de sangue no melhor estilo Tarantino e situações que beiram o absurdo.
*OS PARÁGRAFOS A SEGUIR CONTÊM SPOILERS.*

Do que se trata?

Nos quadrinhos, a série conta a história do, nada ortodoxo, pastor Jesse Custer, que em um de seus sermões foi atingido por uma entidade vinda do céu, chamada Gênesis. Essa entidade é uma junção entre um anjo e um demônio, e além de matar todos que ouviam o sermão do pastor, conferiu a ele o poder da "Palavra de Deus". Assim tudo o que ele falasse usando esse dom, as pessoas obedeceriam sem exitar, exatamente como vimos em Jessica Jones com o Kilgrave.

Somando-se a surrealidade, Jesse Custer esta sempre acompanhado de seu melhor amigo Cassidy, um vampiro (sim vampiro) Irlandês alcoólatra, sádico e bem humorado e sua ex namorada Tulipa O'Hire que faz trabalhos para a máfia. Juntos o trio vai em busca de entender o que aconteceu no céu, que aparentemente está sem a supervisão de Deus. Notadamente Preacher não é uma historia simples de se entender, por não ser para todos os públicos, além disso Garth Ennis não poupa o vocabulário com relação as blasfêmias e Steve Dillon endossa muito bem o proposto na sua arte, recheando as cenas de sangue e tripas em cenários onde a violência é constante.

Na televisão

Deu pra notar que Preacher não é uma obra simples de se fazer, entre os fãs há o medo de terem seu titulo favorito "estragado" por uma má adaptação. Para tranquilidade dos fãs a série realmente surpreende e, embora bastante diferente dos quadrinhos, sua essência foi mantida assim como as personalidades dos personagens, e o que foi mostrado nesses dois primeiros episódios deixa entender que será bastante promissor.

Como nos quadrinhos, Preacher retrata a vida de Jesse Custer (Dominic Edward Cooper - Howard Stark de Capitão América: O Primeiro Vingador), o pastor não muito convicto de que, estar na igreja seja seu chamado. Na pequena cidade de Annvile, no Texas, ele assume o comando da pequena igreja, posto que fora de seu pai. Em seu sermão vemos o quão fora do seu local ele se encontra, ao passo que somos apresentados a outros fatos e personagens que farão parte da narrativa. Vemos o Gênesis, deixando uma trilha de sangue em sua busca por um hospedeiro para a palavra de Deus. Seguindo essa dinâmica somos apresentados a Cassidy (Joe Gilgun) o vampiro irlandês, que cumpri muito bem seu papel nessa adaptação. Gilgun retrata de forma excelente o personagem que é um misto de bizarrice, violência e humor sádico, nos proporcionando boas risadas. Tulipa (Ruth Negga - Raina de Marvel: Agents of S.H.I.E.L.D) completa a trindade nesse ambiente estranho com gente esquisita, e assim como seus companheiros ela é muito boa de briga e, como apresentado esconde um passado com Custer.
Cassidy, Jesse Custer e Tulipa
Outra excelente adaptação foi a do personagem Eugene (Ian Colletti), conhecido como "Cara de Cu", devido a uma tentativa fracassada de suicídio, que deixou seu rosto com o formato de um ânus. Nos quadrinhos Cara de Cu é o típico personagem azarado que todos simpatizamos. Sendo um garoto desprezado pelo pai o Xerife Root (W. Earl Brown, na série) e meio que seguindo os passos de Kurt Cobain, ele tenta o suicídio com uma espingarda. Após o fracasso ele tenta ser um filho melhor para seu pai, até que após uma ocorrência, onde Eugene entrou na viatura escondido, Jesse Custer manda o Xerife "se fu..." usando a palavra de Deus, o que resultou no Xerife cortando o próprio pênis e enfiando bem naquele lugar, e logo após esse episódio o Xerife se mata. Ai que temos a ascensão do personagem, motivado pelo ódio ele vai atrás do padre em busca de vingança e acaba se tornando um astro do Rock e amigo de Custer e Cassidy, e encontra sua alma gêmea.
Arse-face - Cara de Cu
Aqui novamente a série se separa dos quadrinhos, o pai de Eugene, não é um cara arrogante que não se importa ou se envergonha do filho, e sua relação com Custer já se inicia no primeiro episódio, e com o velho e bom fanservice, seu encontro com Cassidy resulta no apelido que o tornou tão querido por todos.

No segundo episódio somos apresentados a Fiori e DeBlanc os anjos Adelphi, que são caçadores do Gênesis e querem acabar com o pastor. O quarteto Cassidy, Custer, Fiori e DeBlanc protagonizam a cena com tudo que a série representa, em resumo, temos um pastor bêbado na igreja, sendo salvo por seu amigo vampiro, de dois anjos que querem mata-lo para acabar com a entidade Gênesis. Mostrando que os diretores Seth Rogen e Evan Goldberg conseguiram criar um Preacher, totalmente diferente dos quadrinhos, porém com todos os elementos que tornaram a série tão adorados por nós fãs de quadrinhos.
Ramon Gorge escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook