Animes

Males que vem para o bem: Animes com BONS fillers

Fillers normalmente são vistos com maus olhos, seja pela qualidade, seja pela história. Mas nem todos esses extras são ruins. Abaixo, algumas séries com bons fillers.


Fillers. Muitos fãs de anime ficam apreensivos ao ver essa palavra, pois sabem que é sinônimo de semanas sem um episódio que dá sequência à história principal e os acontecimentos do mangá, mas nem sempre esse "enchimento de linguiça" é ruim.


Filler (enchimento) é um termo utilizado para denominar episódios ou arcos inteiros de uma série de anime cujo enredo não se baseia no mangá, light novel ou outra fonte de conteúdo do qual a série foi adaptada. Normalmente, episódios desta natureza são criados para impedir que a animação alcance os últimos capítulos do título original, o que pode apressar autores para fazerem novos capítulos (com menor qualidade) ou deixar a série em hiato, pois precisaria esperar até a história se desenvolver o bastante para transformar em novos episódios.

No geral, os fãs não veem estes episódios com bons olhos por diversos motivos, mas certamente os principais são: não conexão com a história (pois são extras) e a qualidade geral (plot, visual,...). Porém, nem todos os fillers são ruins, alguns não só tem um bom desenvolvimento como também enriquecem a história como um todo. E foi pensando nisso que separei cinco animes com BONS extras.

Fullmetal Alchemist - Um final original e bem feito

Como muitos sabem, o famoso mangá da autora Hiromu Arakawa teve duas versões em anime: a segunda, fiel ao mangá, e a primeira, que foi lançada com a história ainda em publicação. Resultado: a primeira animação de Fullmetal Alchemist só segue o mangá até certo ponto, desenrolando a história de maneira independente a partir de então.
Fullmetal Alchemist - um final original que não decepciona
Embora o primeiro FMA não traga diversos personagens de Brotherhood (estou falando de você Olivia), ele dá a história um desenrolar interessante, envolvendo os homúnculos, os pais dos irmãos Eric e a pedra filosofal, além de trazer novos personagens (olá Dante). Apesar da segunda versão ser muito aclamada, a primeira não fica devendo à obra original.

Mundo Virtual - KAIBA! DEVOLVA O QUE É MEU!

*O trecho abaixo contém spoilers de Yu-Gi-Oh!*

Após Mai perder para Yami Marik e ter a mente aprisionada no reino das sombras, muitos ansiavam por ver Joey lutando para salvar a (amada) amiga, porém isso demorou um pouco mais para acontecer, já que uma nova ameaça surgiu antes das semifinais do torneio da Batalha da Cidade.
"eu quero jogar um jogo"
Diferenciando-se da história principal, o arco do Mundo Virtual não tem Yugi/Yami ou os artefatos do milênio como foco principal (apesar de Yugi ainda ser o principal duelista). Nos 24 episódios que compõem essa história, os antigos burocratas da Kaiba Corp aliam-se a Noah, um jovem misterioso, e buscam prender os duelistas na realidade virtual enquanto ele e os ex-membros da empresa retornam para o mundo físico com os corpos de Yugi e seus amigos.
Noah - As aparências enganam
Esse conjunto de episódios destaca-se principalmente por focar na infância de Kaiba e seu irmão Mokuba, mostrando como foi desde a chegada deles ao orfanato até o dia em que o rapaz dos Dragões Brancos tomou a empresa de seu pai, fato que era abordado apenas de forma superficial durante a história original. Outro ponto é a "democracia" de lutas, pois todos os envolvidos tem a chance de duelar (menos você Tristan) e mostrar que também sabem jogar, quebrando a monotonia de apenas os personagens principais estarem nos holofotes.

Apesar de ser colocado de forma estranha no anime, o Mundo Virtual traz aos fãs de Kaiba um pouco da infância do personagem através de bons episódios, com monstros interessantes e boas lutas, além da chance de ver Serenity (irmã de Joey) ter seu primeiro duelo.

Asgard - POR ODIN, digo, POR ATHENA!!!!

Um pequeno fato aleatório: Asgard era uma das minhas sagas preferidas, mesmo antes de eu a assistir. O motivo disso é um pequeno jogo feito no RPG Maker chamado Saint Seiya RPG, onde o jogador refaz os traços dos cinco cavaleiros de bronze enquanto eles tentam conseguir as safiras de Odin.

*O trecho abaixo contém spoilers de Cavaleiros do Zodíaco*

A Saga de Asgard ocorre logo após a Batalha das 12 Casas. Seiya e seus companheiros portam as novas armaduras, mas antes que possam testá-las nos Generais Marinas de Poseidon, os Guerreiros Deuses de Odin precisam ser detidos.
Hilda e os sete Guerreiros Deuses
Com uma história simples, personagens marcantes (ex. Mime) e um distanciamento da mitologia principal, a batalha contra Hilda e seus guerreiros lembra um pouco a luta nas 12 casas (batalha contra o tempo), mas tem um charme próprio, graças às paisagens frias do Reino de Asgard, os novos cavaleiros, cada um com suas motivações e inspirações na Mitologia Nórdica e as lutas, que trazem as novas armaduras de Seiya e seus amigos. A combinação destes fatores criou uma excelente saga que ganhou o coração dos fãs.

Herança de Sucessão - No passado estão as bases do futuro

Katekyo Hitman Reborn! é um ótimo título, e a animação é bem fiel (salvo algumas censuras), mas nem mesmo ele está livre de fillers. Felizmente, ambos os arcos nos trazem informações relevantes para a história, mas focarei no segundo: o arco da Herança de Sucessão.

*O trecho abaixo contém spoilers de Katekyo Hitman Reborn!*

Para salvar Uni, Tsuna e seus aliados retornam para o passado para ficarem mais fortes e provarem-se dignos de receber o Legado da Vongola através de testes impostos pelos espíritos da Primeira Geração. Um a um, os guardiões recebem os desafios e devem provar-se dignos de seu papel dentro da formação. Apesar de, a princípio, a história parecer fraca, ela destaca-se por finalmente mostrar ao público como agem os primeiros membros da Família, visto que durante boa parte da história principal, Reborn e demais outros personagens fazem comentários sobre como Tsuna e seus amigos são semelhantes a Primo e sua equipe.
Giotto e seus guardiões: Knuckle, G, Alaude, Ugetsu, Lampo e Daemon
Dando destaque para cada personagem, bem como trazendo os famosos Primeiros Guardiões, a saga traz uma boa trama que complementa a história principal e agrega mais informações aos fãs, mostrando que as semelhanças entre a primeira e a décima geração vão além da aparência.

Sakura Card Captors - De onde vieram tantas cartas?

Essa pode ser um choque para quem não leu o mangá, mas a maior parte da animação é filler.

No mangá, quando Sakura abre o Livro de Clow, 19 cartas são libertadas, mas na animação, 52 cartas saem de dentro do livro, mais do dobro do número original de cartas. Mas é fato que todas as cartas renderam bons episódios, diversas roupas para a Sakura utilizar (para a alegria da Tomoyo) e lindas artes. Como não lembrar da alegria d'A Flor, o carisma e as fotos que A Força renderam ou o enigmático episódio que O Sonho proporcionou?
A heroína do parquinho
As 33 cartas extras da animação não só aumentaram o elenco como também proporcionaram ótimos episódios e deram mais substância para um anime curto, mantendo a qualidade da obra.
As 52 Cartas Clow da animação

Bônus: O dia em que Goku e Piccolo tentaram tirar a carteira de motorista

Dragon Ball Z, com seus tão famosos 5 minutos mais longos do universo, é palco para diversos filmes, arcos e fillers. E um dos meus preferidos certamente é o que a Chi-Chi obriga Goku e Piccolo a tirarem a carteira de motorista.

Com um começo turbulento (graças à instrutora maníaca por velocidade), Piccolo logo pega o jeito e demonstra ser um excelente motorista. Enquanto isso, Goku tenta a todo custo lembrar das instruções que recebe, porém a única coisa que consegue é mostrar ser um "pé pesado" e desafiar (inconscientemente) Piccolo para uma corrida.
Piccolo não quer perder a "corrida"
Após todas as confusões, quando os heróis estão próximos de conseguir a habilitação, surge uma emergência que eles precisam resolver, infelizmente, para os instrutores, guerreiros tão fortes e heroicos como eles não precisam da carteira, e os mandam embora. No fim, Chi-Chi continua sem alguém que a leve para as compras.
Caio Gomes escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook