Cinema

Crítica: Marvin, traumas em forma de arte

Longe é um filme forte, mas ao mesmo tempo delicado que trata de assuntos polêmicos.


Iniciamos o período de filme de festivais e que concorrem  à prêmios. Embora sejam lançados o ano inteiro, filmes europeus tem mais apelo durante esta época, porque exploram mais os aspectos artísticos que os feitos para o grande público. Destes, nós já assistimos Marvin e contamos tudo que você pode esperar do longa. Confira!


Marvin é um filme que fala sobre escape. O jovem ator tem de escapar de uma cidade pequena, de uma familia "xucra", com um pai tirano e uma mãe que não parecia saber o que estava fazendo. Marvin saiu de um local onde sofria bullying com a ajuda de aliados que foram surgindo em sua vida e ajudando-o a superar cada obstáculo que lhe foi posto.

Com a diretora da escola, Madeleine Clement, conheceu o teatro, sua paixão e salvação. Seu mentor e amigo, Abel Pinto, o encoraja a contar sua história nos palcos, como forma de por todos os seus sentimentos para fora em um monólogo. É no terceiro ato, quando Isabelle Huppert entra na vida de Marvin, que o filme mergulha mais na parte do teatro, pois ela o ajuda a produzir o show e dar vida ao seu texto.

Embora Marvin tenha inspiração no livro O Fim de Eddy, de Edouard Louis, a personagem Marvin não é uma adaptação do livro. A diretora Anne Fontaine sentiu uma conexão muito forte com o herói do livro e quase imediatamente sentiu que queria inventar um novo destino para ele e explorar a maneira como ele teve de reconstituir sua vida após a separação daquela família tóxica, e essa subcultura da França, social e culturalmente deserdada. A adaptação foi livre e nem poderia mais ser considerada uma adaptação.

O filme trata muito bem o tema da intolerância. Para quem não está acostumado com filmes europeus, as cenas mais sexualizadas das crianças podem chocar um pouco, mas toca de forma sensível no tema da descoberta sexual.


A diretora Fontaine quis tratar desse sentimento de viver em um lugar de intolerância sem deixar que a família fosse um núcleo julgador, mas  personagens que fossem "vítimas" da própria vivência e da mente fechada. Apesar do que pensa sobre os gays os pais não são ruins. O personagem do pai tem uma crescente interessante e é um dos poucos personagens que evoluem ao longo da história.
Marvin é um filme forte, mas ao mesmo tempo delicado. Tocando em assuntos importantes e ilustrando o mundo de intolerância de forma sensível.

Ficha Técnica

Nome: Marvin
Nome original: Marvin ou la Belle Éducation
Lançamento: 6 de Setembro
Ano: 2018
País: França
Gênero: Drama
Classificação: 12 anos
Direção: Anne Fontaine
Elenco: Finnegan Oldfield, Isabelle Huppert, Catherine Mouchet, Catherine Salée e Charles Berling
Lais Tigre escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook