Crítica: Mangá A Pessoa Amada, da CLAMP

Dica de mangá para quem gosta de histórias do cotidiano

Se você assistia Sakura Card Captors na TV Globinho (Globo), com certeza vai gostar de conhecer outras produções da CLAMP, e o mangá A Pessoa Amada vai ser uma ótima pedida.


Com 12 histórias curtas baseadas nas mulheres da Clamp e amigos, e notas da redatora Nanase Ohkawa, esse oneshot consegue tocar em temas relevantes e não perde a dinâmica em nenhum momento, além de encantar qualquer um que aprecie mangás com a arte delicada de Mick Nekoi e os traços que só elas têm.


A Pessoa Amada levou 2 anos para ser concluído (de 1993 a 1995) e os capítulos ficaram divididos na seguinte ordem:

1) Diferente
2) Gracinha
3) Quero te ver
4) Mais novo
5) De repente
6) Juntos
7) Bonita
8) Insegurança
9) Coragem
10) Normal
11) Distância
12) Casamento


O que difere essa de outras obras da Clamp? Na minha opinião é o fato de que as pequenas histórias são como uma coletânea de páginas de um diário. O capítulo Mais Novo, por exemplo, fala sobre uma garota que se interessa por um rapaz com 7 anos a menos do que ela e como isso a deixa insegura diante dele, até mesmo o confrontando sobre o porquê do interesse dele nela já que há uma diferença de idade "tão grande" (e nem é tanto assim).

Se você quer começar a ler mangás ou quer um oneshot de qualidade e com temas típicos da vida real, sem ser exageradamente longo, A Pessoa Amada é uma ótima opção.



Ficha Técnica

Titulo: A Pessoa Amada  (Watashi No Suki Na Hito)
Autoria e produção: Grupo CLAMP (Nanase Ohkawa, Mick Nekoi, Mokona Apapa e Satsuki Igarashi)
Páginas: 137
Faixa Etária: Livre
Valor: R$14,00
Locais de venda: distribuição exclusiva em bancas ou no site da editora www.NewPop.com.br


Aluna de artes, nerd e louca por cabelos coloridos.

Comentários

Google
Disqus
Facebook