Artigo: Negra, lésbica e evangélica – Sister Rosetta Tharpe a precursora do Rock

Sister Rosetta Tharpe a mulher negra pioneira do rock que influenciou Chuck Berry, Elvis Presley, entre outros artistas cativados por sua forma de fazer som



Os primeiros acordes do rock foram executados por uma mulher negra, que na época não tinha permissão para se apresentar em estabelecimentos dedicados a música. Sister Rosetta Tharpe tocava guitarra como ninguém, uma figura extremamente importante que influenciou Chuck Berry, um dos guitarristas mais influentes do mundo, Elvis Presley, Jerry Lee Lewis, Johny Cash, Little Richard, Aretha Franklin, entre outros artistas atraídos por sua forma original de fazer som. 


Nascida no Arkansas em 1915, Sister Rosetta Tharper era considerada um prodígio da música, filha de trabalhadores na colheita do algodão apaixonados por música. A garota cresceu na igreja onde a mãe era pregadora e sua musicalidade se desenvolveu nesse ambiente religioso. Ali começou a cantar e tocar violão, assim começa a história de um dos gêneros musicais mais marcantes.

Aos 6 anos Sister Rosetta viajava pelo país com a mãe tocando em concertos gospeis com outros músicos, como Duke Ellington, antes desse se estabelecer em Chicago. Tais viagens permitiram que Rosetta aprimorasse suas habilidades musicais, visto que em suas composições a artista misturava influências urbanas contemporâneas e rurais.

Com 19 anos casou com Thomas Thorpe, um pregador. O casamento foi breve, mas do enlace restou o sobrenome Tharpe, em função de um erro de escrita, que a artista adotou.


As primeiras canções de Rosetta

Em 1938, Tharpe gravou suas primeiras faixas com a colaboração da orquestra de jazz de Luck Millinder. Sendo a primeira vez que um artista gospel lançava músicas pela Decca Records, um selo britânico que contava com nomes como Bing Crosby em seu catalogo, entretanto, Rosetta ainda era uma artista em desenvolvimento. Rock me seu primeiro sucesso foi gravado nesse período.

Como artista solo ou colaborando com outros grupos Tharpe tocou em lugares como o Cotton Club e o Carnegie Hall, no qual grande parte do público nunca havia visto uma mulher negra tocando guitarra. Muito menos aquele som tão arrebatador, o que chocava e cativava a plateia. Controversa e respeitada, Sister Rosetta Tharpe popularizou a música gospel, além de inovar ao misturar jazz, blues e o gênero que estava criando.

Strange things happening everyday foi lançada em 1944, sendo a primeira música gospel a figurar na lista do Harlem Hit Parade da Billboard. Assim como é considerada por alguns especialistas como a primeira canção do rock.

Tharpe assiste uma apresentação de Marie Knight e Mahalia Jackson em Nova York em 1946. Encantada com Marie, Rosetta procura a dupla e começam a se apresentar juntas. Algum tempo depois Rosetta e Marie se tornam amantes e parceiras criativas.


Rosetta cai no esquecimento

Em 1964, Rosetta Tharpe realizou a famosa apresentação numa estação ferroviária abandonada. A artista chegou de carruagem vestindo um luxuoso casaco de pele. Independente de quanto a performance tenha sido inspiradora e histórica, a popularidade de Rosetta começou a diminuir nesse período, ainda que tenha feito uma turnê pela Europa com cantores gospel.

Além do mais a preferência de Tharpe por gravar temas religiosos, bem como a ascensão de músicos e cantores brancos de rock, que atraíram o gênero para a cultura mainstream, empurraram a artista para as margens do movimento musical que ajudou a fomentar.

Sister Rosetta Tharpe morreu na Filadélfia em 1973 após sofrer um AVC. Marie Knight maquiou e penteou sua amada para o funeral.



Escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


Disqus
Facebook
Google