Quadrinhos

Sonic the Comic: A série de HQs britânica do ouriço

Vamos conhecer um pouco sobre os quadrinhos do Sonic criados no Reino Unido.


Já faz certo tempo que falamos dos quadrinhos do Sonic e como estes conseguiram expandir a série do azulão em um novo formato midiático. No entanto, por mais que as HQs norte-americanas sejam as mais conhecidas, a Archie Comic não foi a única a adaptar as aventuras do ouriço mais rápido dos videogames para o universo dos quadrinhos. Isso porque durante o mesmo período em que os gringos começaram a produzir sua famosa revistinha, os britânicos também obtiveram uma licença para produzir uma série em quadrinhos do azulão, contudo bem diferente da HQ que conhecemos (tanto em questão de história quanto em modelo). Por isso, aproveitando o hype que Sonic teve nesta semana, falaremos um pouco sobre Sonic the Comic, a série em quadrinhos do azulão produzida no Reino Unido.


Um novo modelo para uma nova série

Em 1993, a Sega estava passando por um ferrenho período de investimento de marketing em cima de seu tão querido garoto-propaganda: com um jogo para aquele ano (Sonic CD), uma série animada em desenvolvimento (Sonic SatAM) e a primeira leva de HQs do azulão sendo produzida pela Archie Comic. Justamente nesse período uma editora do Reino Unido, a Fleetway Editions, também resolveu entrar na “brincadeira” e conseguiu o direito da Sega para a produção de histórias em quadrinhos das principais franquias da empresa, em especial da série Sonic the Hedgehog.
Uma nova história com a premissa de sempre: Sonic contra Robotnik
O modelo de distribuição foi bem diferente do que estamos acostumados: a revista possuía quatro histórias em quadrinhos, sendo que a primeira era sempre sobre o Sonic e as demais sobre outros personagens da Sega. Apenas com o passar do tempo que a influência de Sonic acabou sendo maior e as demais faixas passaram a serem ocupadas por histórias de outros personagens do universo do ouriço-azul, como Tails, Knuckles, Amy e os Chaotix. Além disso, a revista também possuía espaços dedicados a notícias sobre os jogos da Sega, bem como dicas para estes e até uma mascote própria: o Megadroid, um robô que possuía partes de seu corpo compostas por um Mega Drive (o Sega Genesis) e até possuía suas próprias tiragens na revista. No entanto, passou a ser retirado dos quadrinhos em 1998 após a exclusão da área Speedline (responsável por exibir e responder cartas de fãs) da revista, bem como suas tiras.

Mais liberdade criativa

Diferente dos quadrinhos da Archie (que teve muito mais embasamento na animação do ouriço nos anos 90), a Fleetway inicialmente desenvolveu as histórias de Sonic tendo muito mais base nos jogos Sonic the Hedgehog 1, 2, 3 & Knuckles e CD, inclusive desenhando as fases do jogo (de forma bem similar ao que foi feito mais tarde na Saga Genesis pela Archie). Os cenários eram bastante detalhados e também incluíam outros personagens exclusivos criados pela empresa, como foi o caso do coelho Johnny Lightfoot e do porco Porker Lewis.
Sonic e Tails aventuram-se na Oil Ocean de Sonic 2
A princípio, Sonic the Comic se iniciou como uma série de one-shot bem inconsequentes, estabelecendo uma identidade e história coerente somente a partir da Edição #08, intitulada “The Origin of Sonic”, usando como base um quadrinho promocional do primeiro jogo do Sonic publicado na Disney Adventures e um livro escrito por Mike Pattenden chamado Stay Sonic. Devido à concentração da Sega visando muito mais o sucesso dos quadrinhos americanos, a empresa britânica teve uma liberdade bem maior na produção de suas histórias, e nisso diversas ideias dos roteiristas passaram a ser bem-vindas nas publicações. Entre algumas delas podemos destacar os enredos mais pesados e sombrios, arcos bizarros envolvendo os Chaotix, Super Sonic e Metallix, e um melhor aproveitamento dos personagens exclusivos dos jogos naquele período. Ainda assim, ele possui algumas similaridades com as HQs americanas, como o fato de Robotnik estar dominando quase todo o planeta, a presença de um grupo rebelde chamado Freedom Fighters composta por Sonic e seus amigos e a existência de outras Zonas (universos paralelos) além da linha principal.
Também tivemos os mais bizarros multiversos nessa série

Expandindo os universos

Como já foi mencionado, Sonic não foi à única franquia da Sega a ser explorada pela Fleetway Editions. Várias outras séries muito famosas que marcaram a época do Mega Drive também chegaram a ter suas adaptações descompromissadas em quadrinhos, como foi o caso de Shinobi, Street of Rage, Eternal Champions, Golden Axe, Decap Attack, Wonder Boy e Sparkster (baseado na série Rocket Knight Adventures). As únicas séries a não serem baseadas em franquias de videogame foram Pirate STC e Megadroid, os quais eram mais voltados a anúncios de consoles da Sega e na mascote da revista criado pela própria Fleetway.
Graças a Fleetway, tivemos quadrinhos das séries Streets of Rage e Shinobi
Essas demais séries, no entanto, não possuíam vinculo nenhum com as outras apresentadas, sendo praticamente produções isoladas que eram partilhadas numa mesma edição. À medida que a popularidade do ouriço-azul foi aumentando, varias destas outras séries foram deixando de serem produzidas, tanto para reforçar o universo do azulão nos quadrinhos como para dar uma identidade mais sólida à franquia; uma pena, já que infelizmente não houve nenhum crossover entre as franquias licenciadas.
Archie não foi a única a trazer inovações e histórias impactantes para uma série em HQs do ouriço
Além de Sonic the Comic, ainda foram publicadas nove edições de Sonic the Poster Mag, que nada mais eram do que cartazes em tamanho A1 os quais vinham em edições especiais conhecidas como Sonic Summer Specials, chegando a publicar até mesmo uma edição exclusiva do Knuckles intitulada Knuckles Knock-Out Especial. Nesse mesmo período a Virgin Publishing entrou em acordo com a Fleetway para a produção de quatro livros da série Sonic, incluindo uma notável semelhança com a série em quadrinhos da empresa britânica. Algo a ser notável veio no segundo livro, intitulado “Sonic the Hedgehog na Quarta Dimensão” que apresentou um desfecho intrigante envolvendo viagem no tempo e colocava Sonic após voltar para o passado como o responsável pelo acidente que levou ele e Robotnik a se tornarem o herói e vilão que hoje conhecemos.

O fim da série... só que não!

Infelizmente as publicações da Fleetway não tiveram a mesma sorte da Archie: Após a Edição #223 a empresa se viu obrigada a cancelar a produção de HQs do ouriço. Os motivos são bem desconhecidos, mas acredita-se que estas já não estavam mais dando tanto lucro à empresa. A última saga a ser exibida foi a adaptação do jogo Sonic Adventure para Dreamcast em 1999 e depois disso, vieram algumas pequenas histórias descompromissadas até a última publicação. No entanto, alguns fãs e antigos membros da equipe decidiram se reunir para criar um site da série em HQ chamada Sonic the Comic Online, onde começaram a produzir uma continuação não-oficial dos quadrinhos, que agora passaram a serem distribuídos gratuitamente em modo web. Esta começa a partir da Edição #224 dando sequência direta a última edição publicada (tendo reimpressão completa) e atualmente a produção já se encontra na Edição #270.
A nova etapa da série pode ser acompanhada em mídia Online
Diversos eventos notáveis também passaram a acontecer nesse novo formato da série, como a eliminação de Robotnik (que passou a perder o posto de vilão principal da série para o Dr. Zachary), a implementação de Shadow e Silver nas histórias, a ascensão dos Metallix, o retorno de Tikal e um arco protagonizado por Tails. Mesmo não tendo apoio da Fleetway e da Sega, muitos dos redatores e artistas da obra original têm elogiado o trabalho do site e dado o devido apoio à sua continuação. Inclusive, Nigel Kitching (um dos ex-redatores principais da HQ original) tem feito contribuições ao site, o que ajudou este a ser indicado pela Diamond National Comics Award como um dos melhores sites de quadrinhos online em 2004 e em outras categorias no ano de 2006. Isso mostra o quanto está obra é até hoje amada e bem cuidada pelos fãs do azulão, e mesmo que não tenha a mesma fama que os quadrinhos do ouriço na Archie, ela merece o seu lugar de destaque e seu reconhecimento na construção da fama de Sonic.

Áquila Braga escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook