Cinema

Critica: Planeta dos Macacos: A Guerra - macacos unidos são mais fortes

Terceiro filme da trilogia mostra a esperança para todos.




O que dizer de Planeta dos Macacos: A Guerra, ou melhor da nova trilogia dessa franquia que existe desde 1968 e deixou sua marca no cinema de primeira. Esse no filme não é apenas mais um dessa trilogia mas mantém tudo aquilo que se quer ver após dois grandes filmes sendo seus antecessores.


Em Planeta dos Macacos: A Guerra, vemos os resultados e marcas do que foi apresentado em Planeta dos Macacos: O Confronto, com a guerra entre homens e macacos no seu ápice, onde César (Andy Serkis) tem a missão de proteger sua família e seguidores do Coronel (Woody Harrelson), mas César acaba se dividindo entre uma vingança e a missão de salvar o seu povo.

César



Ele está de volta, mas agora mais velho e cansado de tudo que já passou tentando lutar pelo seu povo. César nesse filme está muito mais homem do que macaco, pois sua inteligência e experiências fizeram ele se distanciar do seu lado primata. Ele ainda está indignado com a maneira que sua espécie é tratada pelos homens, e mesmo preferindo a paz,  ele às vezes se deixa levar pela guerra e todas as suas consequências. Muito mais velho que nos outros filme César usa muito mais seu cérebro que sua força bruta, muito disso vem do seu fantasma do passado que ainda assombra o protagonista.

Humanos



Em toda a cultura pop de hoje em dia, vemos muitas histórias sobre o fim da raça humana e, na maioria delas, o fim vem de zumbis ou desastres naturais, todas nos mostram que quando se trata de sobreviver a raça humana libera toda sua selvageria para se manter no topo da cadeia alimentar. Não é diferente no caso de Planeta dos Macacos: A Guerra pois vemos soldados como personagens humanos no filme lutando contra uma força às vezes indefesa. Todos esses soldados são liderados pelo Coronel, personagem totalmente inspirado em Walter E. Kutz, personagem de Marlon Brando em Apocalypse Now. Sendo aquele homem traumatizado pela guerra.


Por outro lado vemos a personagem da jovem atriz Amiah Miller, que traz tudo aquilo que César preza em um ser humano. Ela também traz aqueles momentos mais emotivos do filme mostrando que macacos e seres humanos podem sim viver em um mesmo mundo em paz.

Direção



A franquia Planeta dos Macacos é conhecida pelas inovações ou originalidades na indústria do cinema, e vemos que o novo filme mantém esse histórico. Se nos surpreendemos com os animais em Mogli o Menino Lobo de 2016, vemos em Planeta dos Macacos: A Guerra uma tecnologia onde você fica confuso sem saber se é um ator ou um animal de verdade na tela. Em destaque as expressões dos personagens primatas que deixam o filme na forma certa de emoção, onde vemos realmente o que o ator quer passar para o público.


Sabemos o porquê o diretor Matt Reeves estar sendo tão requisitado por outros estúdios para novos projetos. Matt faz um direção no ponto ideal que a história precisa e faz com que o público de alguma maneira se conecte com o filme. Ele disse uma vez que só fazia filmes que ele acreditava e podemos ver que ele em razão, ao mesmo tempo que é um filme palatável para o púbico em geral, podemos sentir uma emoção e, por consequência da direção, muito pessoal do diretor.

Conclusão


Planeta dos Macacos: A Guerra é sim um bom filme e fecha essa trilogia da maneira que ela merecia (bom por enquanto esse foi o último filme dessa nova história). Ele pode ser considerado apenas um bom filme de verão, mas se pegarmos tudo o que foi construído nos dois anteriores, vemos que esse terceiro filme se torna muito mais importante do que se imagina. Além de entregar bons personagens e boa direção, podemos tirar grandes lições de sociedade e do mundo que vivemos hoje em dia.

Ficha Técnica


Nome: Planeta dos Macacos: A Guerra
Nome Original: War For The Planet Of The Apes
Origem: EUA
Ano de produção: 2016
Lançamento: 3 de Agosto de 2017
Gênero:  Ação, Aventura, Drama, Suspense, Ficção Cientifica
Classificação: 14 Anos
Direção: Matt Reeves
Elenco:  Andy Serkis, Woody Harrelson, Steve Zahn, Amiah Miller, Judy Greer, Gabriel Chavarria

Murilo Barroso escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook