Cinema

Critica: Se a rua Beale Falasse - Amor e racismo contam na história de um casal

Diretor de "Moonlight" volta ao Oscar com adaptação de clássico da literatura


Depois de levar as estatuetas de Melhor Filme e Melhor Roteiro adaptado por Moonlight em 2017, Barry Jenkins bate cartão mais uma vez no Oscar com Se A Rua Beale Falasse, uma história sensível e tocante.


Fonny (Stephan James) e Tish (Kiki Layne) são amigos desde pequenos e não foi uma surpresa quando eles se viram apaixonados e decidiram morar juntos. Como diz Tish no inicio do longa, “toda cidade tem uma rua Beale” e neste longa acompanhamos a história deste casal e suas famílias em meados dos anos 60.

Fonny e Tish estão procurando um lugar para morar juntos quando ele é acusado de estupro por uma porto riquinha que foi abandonada pelo marido americano. Apesar de saberem que não poderia ter sido Fonny, a versão de um policial preconceituoso o coloca na cadeia.

Enquanto tentam provar a inocência do namorado, Tish descobre que está gravida. Ela recebe muito apoio da família, apesar da reação negativa dos parentes de Fonny, em cena que rende uma bela atuação dos atores, que apesar de estarem em um espaço pequeno na sala de estar da casa de Tish, conseguem dar diferentes pesos a noticia. Quando a vitima é enviada para Porto Rico por agentes alheios a história, todos se juntam para conseguir dinheiro para localiza-la e enviar a mãe de Tish (Regina King) atrás dela em uma tentativa desesperada de retirar as acusações.

Um dos pontos fortes do filme com certeza é o roteiro com diálogos fortes e emblemáticos, porém o mesmo também peca ao trazer um grande número de personagens que ficam perdidos ao longo da história. A montagem não linear da história ajuda a criar simpatia pelo casal e a torcer para que os dois fiquem juntos e ajuda a destacar as atuações, que vão de um amor sutil e sincero até o olhar de quem está sendo destruído por dentro na prisão.

As atuações dos coadjuvantes são excepcionais, dando emoção à diálogos fortes. Bryan Tyree Henry faz uma pequena participação, mas durante sua cena vemos a entrega em um dialogo longo sobre como a prisão acaba com a sua essência. Apesar de não ser a melhor atuação de Regina King, ela vem como forte concorrente ao Oscar e não seria injusto se ganhasse, visto que solta todo o seu talento durante as cenas em Porto Rico.


A história é baseada em um romance homônimo de James Baldwin e, por isso, concorre como Melhor Roteiro Adaptado, transmite ideias e emoções com sutiliza e utilizando cada recurso cinematográfico com muita atenção e excelentemente, os diálogos são bem construídos e entregues com a emoção que lhes cabe e embora algumas participações tenham ficado perdidas pelo caminho, o filme emociona e cumpre seu dever de contar a história destes dois amantes que tem sua vida dilacerada pelo simples fato de serem quem são.

Ficha Técnica

Titulo: Se a rua Beale Falasse
Titulo original: If Beale Street Could Talk
País: EUA
Ano de produção: 2019
Data de estreia: 07 de Fevereiro de 2019
Direção: Barry Jenkins
Gênero: Drama policial romance
Classificação: 14 anos

Elenco: Brian Tyree Henry Kiki Layne Regina King Stephan James Teyonah Parris Aunjanue Ellis Colman Domingo Dave Franco Diego Luna Ed Skrein Emily Rios Finn Wittrock Michael Beach Pedro Pascal
Lais Tigre escreve para o GeekBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GeekBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook