Crítica | Pokémon: Detetive Pikachu é um choque de emoções

Como seria o mundo se existisse Pokémon?


Pokémon é uma franquia multimídia de extremo sucesso. São mais de 20 anos desde o lançamento de seus primeiros jogos em 1996 no Japão. De lá para cá os monstrinhos apareceram em mangá, anime, trading card game, filmes e agora em seu primeiro live-action.


A criação de Pokémon é de Satoshi Tajiri. Desde criança, Satoshi colecionava insetos, o que lhe serviu de inspiração para depois, já trabalhando na sua empresa de jogos Game Freak, desenvolver os primeiros games intitulados Pokémon Red e Pokémon Blue. Os jogos da primeira geração até a mais recente, anunciada no começo do ano, são publicados pela Nintendo.

O primeiro filme chegou no Brasil em janeiro de 2000. Intitulado como Pokémon: O Filme, foi um sucesso entre as crianças que já assistiam o anime e tinham contato com produtos da franquia. No total já são 21 filmes (de animação) lançados e o 22° já foi anunciado.

A produção de Pokémon: Detetive Pikachu é da Warner Bros. e Legendary Pictures. Recebida com uma certa apreensão, a notícia da adaptação foi muita comentada e o seu primeiro trailer causou polêmica. Mas tudo isto foi recompensado neste que é um dos melhores filmes para se ver em família.


O roteiro é impecável. O mundo entre humanos e Pokémon é lindo, as interações são muitas vezes engraçadas e totalmente autênticas. A trama é perfeitamente amarrada e envolvente. O time de roteiristas é composto por escritores experientes e traz em seu perfil filmes de grande sucesso comercial, como por exemplo Capitã Marvel, Guardiões da Galáxia e os dois Jurassic World.

A história é uma adaptação do jogo spin-off  Detetive Pikachu lançado em março de 2018 exclusivamente para o Nintendo 3DS. A transformação do enredo do jogo para o filme foi bem sucedida. Diversão, emoção e mistérios estão em perfeito equilíbrio e o ritmo é exato.

Os diálogos são bons, mas a interação entre humanos e Pokémon é a singularidade do filme. Sempre nos perguntamos como seria este mundo e, apesar de vermos este convívio no anime e nos outros filmes, nos surpreendemos com a realidade do universo proposto.

Os Pokémon estão perfeitos. Todos os monstrinhos são respeitados em suas características e caçá-los nas cenas é uma diversão a parte (terei que assistir mais vezes para identificar todos). Podemos ver todas as gerações na tela e os seus poderes aplicados em soluções práticas do dia-a-dia, como uma parceria para que tudo funcione perfeitamente em Ryme City.


Quando Tim Goodman (Justice Smith) chega em Ryme City com a notícia do desaparecimento de seu pai, o detetive Harry Goodman, ele conhece Pikachu (Ryan Reynolds) que era o antigo parceiro de seu pai e juntos vão tentar resolver o último caso ainda em aberto de Harry. No caminho eles conhecem a repórter Lucy Stevens (Kathryn Newton) e o seu parceiro Psyduck, reunidos eles formam uma equipe que vai até o fim do mistério que ameaça o mundo Pokémon.

As atuações são precisas. Na verdade esse trabalho começa nas escolhas dos atores. Justice Smith (Jurassic World: Reino Ameaçado, 2018) é ideal para o personagem, o ator está a vontade e as cenas dramáticas, com maior carga emocional, são verdadeiras (aqui cabe o seu trabalho em “The Get Down”, série da Netflix que durou apenas uma temporada). 

Apesar de Ryan Reynolds fazer a voz do Pikachu, assisti a versão dublada, então esse parecer é para Philippe Maia. Experiente dublador, Philippe já dublou Ryan Reynolds, sua voz inconfundível combina com o personagem e o seu trabalho é marcante.

O design de produção é lindo. Não há nenhuma inconsistência, os Pokémon estão perfeitamente inseridos no “mundo real”, é uma relação orgânica. Também o design de luz foi feliz em suas escolhas criativas, me parece que cada detalhe do filme foi cuidadosamente trabalhado.

A direção de Rob Letterman (O Espanta Tubarões, Monstros vs. Alienígenas e As Viagens de Gulliver) está equilibrada. Momentos dramáticos são bem enquadrados e o diretor transita bem entre as linguagens de aventura, ação e drama. 


A trilha sonora sempre foi uma característica muito marcante da franquia. A música mais clássica, da abertura da primeira temporada do anime, pode ser ouvida timidamente em alguns momentos, mas o seu instante mais marcante vem de forma inesperada e grandiosa apoiando o enredo.

Realmente tentei achar alguma ponta solta (para que meu afeto à franquia não prejudicasse meu julgamento), mas não encontrei. É um filme para ser assistido em família e mais de uma vez. Fãs de longa data e novatos são bem vindos para celebrar este grande momento de Pokémon que não nos cansa de surpreender.

Pokémon: Detetive Pikachu é imperdível e estreia dia 9 de maio em todo o Brasil.

Ficha Técnica:

Título: Pokémon: Detetive Pikachu
Título original: Pokémon Detective Pikachu
País: EUA
Data de estréia: 09 de maio de 2019
Gênero: Animação, Aventura, Ação
Classificação: Livre
Duração: 104 minutos
Distribuidora: Warner Bros.
Direção: Rob Letterman
Elenco: Ryan Reynolds, Justice Smith, Kathryn Newton, Bill Nighy, Ken Watanabe, Ikue Ôtani



É Radialista e nas produções cinematográficas sempre está envolvido na arte. Tem em Pokémon e em Star Wars suas lembranças vivas da infância.

Comentários

Google
Disqus
Facebook