Crítica: Judy - muito além do arco-íris ou um tributo à Judy Garland

Renée encarna Judy Galard e emociona


Mesmo que você não seja fã de musicais ou da Judy Garland, este filme é para você, pois emociona de uma forma que só os clássicos do cinema sabiam fazer.


Criada no meio artístico desde bebê, Judy era considerada uma das principais estrelas da "Era de ouro" do cinema, mas acima de tudo, era uma mulher em busca de amor e de uma família.
Quando os papéis somem e os shows deixaram de ser uma opção devido ao seu temperamento e o uso de remédios e álcool, Judy se vê sem um lar para os dois filhos mais novos e sem dinheiro para bancá-los.
O filme retrata essa luta de Judy de se manter com os filhos e não querer que eles entrem no impiedoso mundo das artes. Para ter dinheiro para uma casa e manter os dois na escola, Judy tem que se afastar e ir para uma temporada de shows em Londres. 
Em Londres, ela volta aos maus hábitos, remédios, excesso e até os homens. Nessa parte, vemos como ela podia ser uma estrela nos palcos e ao mesmo tempo esconder uma insegurança e uma carência. As partes onde a vemos como um ser humano e não como uma Diva são as mais emocionantes.
A escolha de filmagem e fotografia servem para acreditarmos que Renée Zellweger e toda a sua altura (não que 12 cm seja muito, mas faz diferença), são na verdade a pequena Judy Garland com seus 1,51 m e sua voz magistral.


A inserção de cenas do passado, durante a gravação de O Mágico de Oz, ajudam na construção do lado mais traumático da história da atriz. Apesar de não ser explícito, está ali a sugestão de que os relatos de um dos ex-maridos, e pai de dois dos três filhos dela, sobre Judy ter sido molestada nas filmagens. Uma sensação desagradável fica no ar, como se ela não tivesse ninguém para ampará-la.

Judy era, e talvez ainda seja, uma ídolo, principalmente para quem tinha seus direitos reprimidos, então nada mais natural que no filme que retrata sua última turnê, falar sobre seus fãs LGBTs.
As músicas do filme se encarregam de mais uma dose de emoção. Para os fãs, uma chance de relembrar e; para os mais novos, de conhecer esta estrela. Renée fez aulas para ficar com o estilo musical de Judy e durante o filme fica difícil enxegar outra pessoa além de Judy no palco. Até mesmo quando a atriz enfrenta problemas nas cordas vocais e não consegue mais atingir as notas de Somewhere Over the Rainbow.
Renée já conquistou todos os prêmios da temporada e merece ainda mais por toda a construção dessa Diva que deixou saudades até para quem nasceu mais de 20 anos após seu falecimento.

Ficha Técnica


Título: Judy: Muito Além do Arco-Íris 
Título original: Judy
Ano de produção: 2019
Direção: Rupert Goold
Estreia: 30 de Janeiro de 2020 ( Brasil )
Duração: 118 minutos
Classificação:  14 anos
Gênero: Biografia Drama Musical
Países de Origem: Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte
Elenco: Darci Shaw Renée Zellweger Andy Nyman Bella Ramsey Bentley Kalu Finn Wittrock Gemma-Leah Devereux Jessie Buckley John Dagleish Lewin Lloyd Lucy Russell Michael Gambon Philippe Spall Rufus Sewell


Pesquisadora em Têxtil e Moda; cinéfila; Potterhead e lufana. Adora escrever e dar dicas sobre seus filmes favoritos. Amante de boas histórias e personagens femininas que se impõe. Queria ter os poderes da Jean Grey, mas é apaixonada pela Jasmine. Nas horas vagas escreve sobre seus hobbies.

Comentários

Google
Disqus
Facebook