Critica: O poço

Novo longa da Netflix já estreou dando o que falar.





















Filme espanhol do diretor Galder Gaztelu-Urrutia nos apresenta um retrato social realista, cru e, porque não dizer, visceral (em todos os sentidos da palavra). Com pouco mais de 1h e 30min o longa nos faz sentir tensão, ansiedade e curiosidade, de modo que não sabemos como tudo começou, mas queremos ver como termina.



 A trama acompanha a história de Goreng (Iván Massagué), homem pacato e recém chegado no poço, uma espécie de prisão vertical onde as celas se conectam por uma abertura retangular no teto de no chão. Separados por níveis enumerados, os detentos confinados possuem apenas uma oportunidade no dia de se alimentarem, através de uma plataforma que passa pelo vão entre as celas. a cada nível passado sobra menos comida pro seguinte, fazendo com que os de nível mais baixo sejam obrigados a sobreviver com menos, as vezes nada.


A estória se desenrola com um ritmo perfeito para o espectador. Com um ótimo trabalho de roteiro e belas atuações, o filme nos transporta para aquele universo e nos instiga a querer sair dali. A cada personagem apresentado conseguimos ver profundidade e complexidade até nas histórias mais simples, mesmo sem saber as motivações que os levaram a estar ali. É jogado em nossa cara a capacidade irracional humana pela sobrevivência, testando seus limites físico e psicológico, onde o egoismo se mostra como o meio mais fácil e seguro de se lidar com as situações.


Em um curto período de tempo em frente a tela, O poço nos faz sentir angústia e apreensão em um sistema baseado em privilégio de níveis, te mostrando como é fácil perder a humanidade para sobreviver. Porém, também nos mostra que com iniciativa esse sistema pode ser quebrado.


Ficha técnica


Título: O poço
Título original: The Platform
País: Espanha
Data de estreia: 21 de fevereiro de 2020 (chegou à Netflix em março)
Gênero: Suspense
Classificação: 18 anos
Duração: 94 minutos
Distribuidora: Netflix
Direção: Galder Gaztelu-Urrutia
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Egileor, Antonia San Juan, Emilio Buale, Alexandra Masangkay, Eric Goode, Algis Arlauskas, Miriam Martín, Óscar Oliver

Biológo, amante da natureza, aprendiz sith. Fã de animação, séries e filmes...queria ser um dobrador de água, mas a vida lhe fez nascer na nação errada.

Comentários

Google
Disqus
Facebook