Séries & TV

Crítica: Little Fires Everywhere – série sobre aqueles segredos que todos escondem

Little fires everywhere série do Prime Video protagonizada por Reese Whiterspoon e Kerry Washington apresenta segredos profundos que emergem da fúria



Little Fires Everywhere são aqueles segredinhos que carregamos ao longo da vida, as escolhas que alteram o destino, tudo o que foi necessário abrir mão para alcançar sonhos. Mas, afinal, vale qualquer coisa para conquistar o que desejamos? Até que ponto nossas decisões interferem na vida de outras pessoas? Aquele “e se” insistente que causa angustia. Essas são algumas das questões que a série, protagonizada por Reese Whiterspoon e Kerry Washington, que estreou no catálogo do Prime Video em 22 de maio de 2020 apresenta no decorrer dos 8 episódios de sua primeira temporada.



Baseado no livro Pequenos Incêndios por Toda Parte de Celeste NG, publicado pela editora Intrínseca, a série é um drama que retrata a rotina de duas mulheres com realidades completamente diferentes. Uma teve todas as oportunidades que sua família e classe social proporcionaram. E outra que batalhou para conquistar as oportunidades que teve. Ocorre que, ambas precisaram fazer escolhas numa época de suas vidas que ninguém deveria ter que fazer, mas estamos na década de 1980, Baby. Na qual atender expectativas sociais não era uma questão de escolha, mas de quanto você está disposto a enfrentar o sistema.
Sinopse
Uma família aparentemente perfeita e uma mãe e filha que afetam suas vidas.

Será que a mãe perfeita existe?

Mia Warren, a personagem de Kerry Washington, fez todas as escolhas condenadas pela sociedade conservadora da época, quiçá atual, visto que muita coisa que vemos durante a primeira temporada ainda acontece em muitas famílias. Escolhas que foram capazes de criar um rótulo e atrair o julgamento social.
Ainda que a verdadeira Mia viva camuflada pela narrativa ficcional que criou sobre si, além de ser uma mulher que comete erros, muitos, contudo quem nunca errou ou vai errar. Tanto que você começa a encontrar sentido em sua vida caótica e comportamento desorganizado da personagem. Que vaga de cidade em cidade, sem nunca fixar endereço.



Já Elena Richardson, a personagem de Reese Whiterspoon, é a típica garota de família abastada que tem uma vida planejada desde o nascimento, tudo é milimetricamente calculado para se encaixar no ideal de mãe e dona de casa eternizada pelas propagandas de margarina. No entanto, até para conquistar uma vida de revista Elena precisou abrir mão de alguns sonhos que, talvez, daria outro rumo a sua existência e carreira. Entretanto, nunca saberemos, muito menos Elena. Não seria essa a graça da vida, aquele eterno “e se” que em muitos casos nos causam desespero e uma necessidade de abandonar as velhas roupas e partir numa nova aventura.
Afinal o que era discutido no final da década de 1990, período em que se passa a história, ainda repercute na sociedade hoje.


E os filhos perfeitos? Quem são, onde habitam?

Para enriquecer o enredo os filhos de ambas vivenciam as descobertas da adolescência que acrescentam mais drama a narrativa. A filha mais velha de Elena, Lexie, Jade Pettyjohn, é tão perfeita quanto a mãe, mas essa perfeição é real, ou sustentada por escolhas duvidosas e muita manipulação? O exemplo clássico de que o fruto não cai muito longe da árvore.
Enquanto a filha de Mia, Pearl, Lexi Underwood, é uma garota de espírito livre que não conhece o seu passado, e que sofre com as constantes mudanças da mãe e ausência de estabilidade que uma família como os Richardson representam. Pois, não ter um canto para chamar de seu pode ser mais desafiador para uma pessoa em processo de desenvolvimento. Mesmo processo enfrentado pela filha mais nova de Elena, Izzy, Megan Stott, uma garota que está descobrindo a própria sexualidade, o poder devastador do bullying e como ter uma mãe tão controladora é insuportável.



A perfeição não é uma opção para os membros da família Richardson, mas uma obrigação moral com a memória de seus antepassados que auxiliaram na fundação de Shaker Heights, uma comunidade que se orgulha de ser totalmente planejada. Dito isso, a necessidade obsessiva de planejamento de Elena não é mero capricho.
Com a chegada de Mia os planos de Elena tomam rumos não desejados, mas será que a causa é realmente a chegada da inquilina? Ou os problemas só emergiram porque a presença da forasteira fez com que os habitantes de Shaker Heights fossem obrigados a olhar para dentro de si mesmo? Assista aos 8 episódios de Little Fires Everywhere e chegue as suas próprias conclusões.


Ficha técnica

Título: Little fires everywheres
Título original: Little fires everywheres
País: EUA
Data de estréia: 22 de maio de 2020
Gênero: Drama
Classificação: 16 anos
Duração: 8 episódios
Distribuidora: Prime Vídeo
Direção: Lynn Shelton 
Elenco: Kerry Washington, Reese Whiterspoon, Lexi Underwood, Joshua Jackson, Rosemarie DeWitt, Jade Pettyjohn, Megan Stott, Gavin Lewis, Jordan Elsass e Stevonte Hart.


Kika Ernane, Karina no RG, e sou multitarefa (designer, ilustradora, redatora, escritora e na caça de mais uma habilidade). Uma mulher como muitas da minha época, que ainda não descobriram como aproveitar a liberdade que lutaram tanto para conseguir. Muito menos administrar todas as tecnologias disponíveis. Enfim, estou sempre aprendendo.


Disqus
Facebook
Google